março 14, 2006

O homem tem direito na sociedade de sua própria individualidade?

Várias vezes já me chatearam lá em casa, uma por minha mãe sempre me recriminar por causas das minhas roupas (filha, esta blusa está na moda, usa ela – e a gente sempre brigar por isso), outra por pensar do meu jeito, aceitar do meu pai, mas ser obrigada a praticar o que ele pensou, e mais outras coisas das quais me fez indagar, até onde vai a individualidade da pessoa: quando ela veste, come, pensa, não como cada uma gostaria de se vestir, comer, pensar, mas como a maioria faz.
Há uma semana cortei novamente meu cabelo curto. Para muita gente esse ato foi corajoso (como a maioria diz), acredito que seja porque a imagem da mulher, principalmente jovem, é àquela com cabelos longos, brilhosos, sem contar com aquele corpaço. Não me refiro a meu corpo, que eu adoro, mas se eu tenho e posso mudar meu visual, por que não o cabelo? E aí que nunca devemos esquecer que o homem é um ser social sim, mas também é uma pessoa, isto é, tem uma individualidade que o distingue dos demais.
E esta aí a graça da vida. Viva as diferenças!

3 comentários:

Lelinha disse...

Adorei e concordo plenamente... viva a las diferenças...
São o que nos faz ser indivíduos único!!!

Obrigada por passar no banheiro!

Beijocas...

Bourbon prá dois disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Bourbon prá dois disse...

Pais são complicados, quer queira quer não, eles tem as opiniões do que é "bom" prá gente e vão querer empurrar isso de alguma forma. Até lá em casa onde o povo ém light tem dessas de vez em quando. E cabelo taí é prá mexer mesmo e mulheres de cabelo curto são sexies. Ainda, tudo igual é chato, se todo mundo pensasse igual, vivesse igual, vestisse igual a vida ia ser muito sem cor. Como você disse, viva as diferenças!
Bjs

Rafael