janeiro 20, 2011

A MULHER E A SOCIEDADE

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: A experiência Vivida (Primeira parte – capítulo I: Infância, Quarta parte – capítulo I: a mulher independente, Conclusão). São Paulo: Nova Fronteira, 1949.

"Segundo volume do livro que examina a condição feminina em todas as suas dimensões: a sexual, a psicológica, a social e a política. Uma proposta de caminhos que podem levar à libertação não só das mulheres como, sobretudo, dos homens. Complementação de uma obra que, em escala mundial, inaugurou o debate sobre a situação da mulher." (www.simonebeauvoir.kit.net)



A mulher sempre esteve subordinada ao homem e sempre enfrentou problemas para buscar sua independência. A ausência, ao longo dos anos de análises e coragem, partindo do ponto de vista, principalmente, do enfrentamento de uma sociedade legitimada, levaram muitas mulheres a continuarem em seu status de dependentes, que para Simone de Beauvoir, “há primeiramente, bem entendido, numerosas mulheres que aceitam a própria sociedade tal qual é.”

Entretanto, tiveram outras que lutaram contra toda desordem que bate de frente aos valores do sistema e, além disso, tentaram rever todos os conceitos e estudaram profundamente a concepção de mulher. Uma dessas pessoas, é a Simone de Beauvoir, que em seu texto “ O segundo Sexo” aborda a condição da mulher, constituindo um impulso para reflexão do que é certo, do que é aceito, natural ou simplesmente adaptado perante a sociedade. A autora demonstra como é imposto o destino das mulheres perante o conhecimento de mundo, os direitos a que são submetidas e se estão “no estado atual da educação e dos costumes”

Na primeira parte, que é a formação da mulher, começa-se com a seguinte reflexão: “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. Quem impõe o que é ser uma mulher é a própria sociedade, e que de tudo mais, elabora “esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam de feminino”. A característica principal da primeira parte é a da criança desenvolver suas idéias de acordo com os princípios da nossa cultura, projetando-se, também, pelos seus educadores. As desenvolturas das análises filosóficas perduram por todo o texto de Simone de Beauvoir e, involuntariamente, segue uma linha de construção teórica proposta por filósofos e pensadores, como por exemplo: Sartre, Steke, Freud, etc. O que deixo em destaque são as teorias freudianas, que são usadas no texto como conservadoras e dominantes. Embora de início ele tenha realmente feito textos nesse aspecto, logo depois, o próprio Freud reviu suas condições, que de uma maneira ou de outra, reflete certo avanço: "Se querem saber mais sobre a feminilidade, podeis consultar a vossa própria experiência de vida, ou perguntar aos poetas, ou esperar que a ciência possa nos dar informes mais profundos e mais coerentes". Há, também, uma necessidade de se avaliar enquanto ser humano, da filosofia existencialista, cujo conjunto de teorias é a própria existência, entendida exclusivamente como existência humana. Não há de se prender ao fato da diferença entre homem e mulher, e sim, da consciência que todos são seres, em que devemos analisar o ser como existente. Ainda na primeira parte, seguindo a tradição da sociedade ocidental, a hierarquia dos sexos manifesta-se na menina primeiramente na experiência familiar. E, é a partir daí, que se diferencia o seu papel ao do menino, em que este tem todos os costumes possíveis e objeto (pênis) que o glorifica para vislumbrar o poder e a transcendência. Um ponto que talvez tenha passado despercebido por Simone Beauvoir foi que ela entra em questão do discurso erótico, mas não aponta a diferenciação da pornografia e o consumo:

Uma mulher que despende suas energias, que tem responsabilidades, que conhece a dureza da luta contra as resistências do mundo, tem necessidade – como o homem – não somente de satisfazer seus desejos físicos como ainda de conhecer o relaxamento, a diversão, que oferecem aventuras sexuais felizes. Ora, há ainda meios que essa liberdade não lhe é concretamente reconhecida; arrisca-se, usando-a, a comprometer sua reputação, sua carreira; no mínimo, exigem dela uma hipocrisia que lhe pesa. Quanto mais tiver conseguido impor-se socialmente, mais fecharão de bom grado os olhos; mas, na província principalmente, na maior parte dos casos, ela será severamente vigiada. Mesmo nas circunstâncias mais favoráveis – quando o temor da opinião não mais influi – sua situação não é neste ponto equivalente a do homem. As diferenças provêm ao mesmo tempo da tradição e dos problemas que a natureza singular do erotismo feminino coloca.

Na quarta parte, sobre a mulher independente, Beauvoir, diz que a distância qual separava a mulher e o homem conseguiu diminuir pela entrada da mulher no mercado de trabalho, mas em contrapartida, a liberdade econômica da mulher em relação ao homem não é garantia que esta vai alcançar uma situação moral, social, psicológica idêntica ao do homem. A mulher, além de sua nova tarefa de sair do lar e trabalhar o dia inteiro, acaba transformando a vida numa dupla jornada, ou seja, dobra seu “serviço”, pois quando chega em casa ela ainda cuida dos filhos, tem que se cuidar, servir o marido, etc. O tanto quanto pesado, há de se convir, que tanto em casa, como no local de trabalho, há uma diferenciação ao tratamento, remuneração e prestígio social.

Ainda hoje, há grandes desigualdades quanto à condição da mulher e que configura como os ápices para a doutrina cada vez mais fortalecida do feminismo. Salário mais baixo por um mesmo trabalho e qualificação, menor acesso aos postos que implicam poder econômico e político, subsistência da imagem da mulher-objeto no plano ideológico, patriarcalismo nas relações familiares, etc. Na prática, ainda é a maioria, as mulheres subjugadas (maus tratos, mutilações, escravidão, prostituição, etc.) no mundo.

Em 1949, há 62 anos atrás, Simone de Beauvoir escreve implantando assunto de debates, de resenhas, de artigos, de pesquisa científica, enfim, a autora escreve almejando a libertação da mulher, não no sentido de “diminuir” o homem numa esfera de competitividade; há a justificativa de que existem sexos diferentes, sim, um segundo sexo, reconhecendo como sujeito permanecendo em equilíbrio, onde é preciso que estabeleça as relações no meio social.

2 comentários:

jane smith disse...

You need only take measure of the September issues Tory Burch shoes of the world's top fashion magazine to understand that fall is the most anticipated sartorial season of the year. But the world has gone digital, and so should your fashion strategy. As you go about planning your fall wardrobe, take these iPhone apps into account. You might not be able to afford everything on your wish list, but there is nothing wrong with a little window shopping.Nothing has re-energized the fashion world like the blogosphere, which spawned blogs likes Jak Jill and The Sartorialist Tory Burch Flats (not to mention hundreds of copycats), and launched the careers of many a photographer and stylist. The chicfeed+ app ($0.99) consolidates a half dozen of the best fashion blogs into one source. All you have to do is swipe left or right to get some of the best in street style and photography. Trust us, it's an endless source of inspiration.

If you are interested in following the nuts and bolts of the industry, download Tory Burch Wedges the $1.99 Fashion app. It includes a breaking news feed with tid bits such as the expansion of Victoria Secret into Great Britain, and the proliferation of nude pumps at the recent spate of royal European weddings. And the Fashion app also brags an impressive Tory Burch Sandals collection of fashion-related vidoes that feature seasonal trends and beauty tips.Half the fun of shopping is consulting with friends on fit, style and color. With the free Snapette app you can expand dramatically your circle of personal consultants. The app allows you to snap photos of items that you see while out hitting the stores and then share them with others. In turn, if you spot something posted on the app by another user that catches your eye, you will know exactly where to go to find it. The app focuses on shoes and handbags, so it is definitely best for an accessories girl.

For the hard-core, high-fashion types there is the Fashion Tory Burch Heels Network Original app (free). It features full videos from dozens of fashion shows from the most recent season. So for those of us who were not invited to Marc Jacobs Fall/Winter 2011 collection showcase, we can get our fix via this app at the very least.You can find Tory Burch Flip Flops just about anything on eBay, and the free eBay Fashion lets you browse from a seemingly endless selection of dresses, pants, shoes, handbags and more. The quantity is a bit overwhelming, but if you are looking for something really specific there, is no better app to try.Another great shopping option via your iPhone is the ShopStyle app (free). This breaks everything down into very specific categories. For example, the handbags can be searched by hobos, clutches, shoulder bags and totes. What Tory Burch Boots sets the app apart is an alert feature that lets you know as soon as an item you are coveting goes on sale.And finally, for the shoe lover in all of us, there is the free iShoes app which is actually better than the shoe department at Barneys New York (hard to believe, we know). The merchandise is so high end it makes Zappos.com look like Payless. There are Tory Burch boots, and Elie Tahari flats galore here.

jane smith disse...

Christian Louboutin ever explained that the girl who want to show her beauty should have at least seven pairs of shoes just like the the seven deadly sins, one is for happiness,
Christian Louboutin Shoesone is for philander, one is for work, one is for holiday, one is for lovely time, one is never worn and one is disliked, the advantage of owning a shoes you don't like can remind that you don't have to make every dressing to be perfect.

Most women love high heels, as if it has magic,Christian Louboutin ShoesThere are many reasons for heel pain. Christian Louboutin BootsThe pain itself is divided into two groups identified, pain under the heel and the back of the heel pain. Heel pain is the most common cause of plantar fasciitis. This is an inflammation of ligaments in the foot of the fascia. This emphasis on the heel to the foot is ligament. When this ligament is stretched irregularly, it is the development of heel pain caused Christian Louboutin Pumpsby inflammation and small tears. Plantar fasciitis occurs when there is no arch support in shoes, with flat feet, Christian Louboutin Sandals to the christian louboutin shoes shop near your place by the Internet or your friends, so that you can not miss the latest discount activity. But that doesn't mean that you should catch every chance once they have the discount activity, please makes sure that you have the demand to buy it and there's such occasion that you should wear the christian louboutin shoes you bought. As most girls may buy the shoes just for its price orChristian Louboutin Flats its style and never wear it when they bought it which is really a big waste. Hope you can find your own christian louboutin shoes. Good luck.

We need beautiful women heelsJimmy Choo Shoes but also protect the heels from drying and cracking. Choose a specially made leather conditioner.Jimmy Choo Boots Do not just use a cleaner for conditioning. And you should use a kind for smooth leather. Choose a conditioner according to the color of your heels. You should use a conditioner which has a same color with yourJimmy Choo Pumps heels. Choose a natural conditioner. Avoid using the corrosive conditioner for your heels. Follow the process of condition. You should use a clean clothe to rub a small amount of condition. And then cover the entire heels with conditioner. Wipe the heels free after waiting a few minutes.

One day, i invited my friends come to my home and have a party, during the chatting, we shared with each otherJimmy Choo Sandals
about the interesting shopping experience everywhere, and i told them one of mine which is really very funny when i though of. It's about christian louboutin shoes.