abril 27, 2006

Ah Nana....(suspiro)

É um pouco de ilusão (ou seria desilusão?) e uma total escapatória do irreal. Já percebia há bastante tempo que a euforia caía a cada dia que passava.
Foi quando em fim, tive a plena certeza que cabei encontrando aquele tal pesar profundo que aniquila a nossa alma. Aquela certeza que demorou tanto para chegar e quando surgiu, chegou muito rápido, na cara, como um tapa.
Aprender a controlar? Não. Controlo-me direitinho. O que me resta apenas é não contar com a sorte de virar uma personagem de livro com obrigatoriedade de um final esperado. Ou até mesmo de um canto que com certeza, existe alguém que considere você acima de tudo (tirando, claro, a própria família).
Um dia eu consigo fazer as coisas para mim.
Quem sabe se esse dia seja aquele que eu estiver inteiramente só: namorando o mundo.

4 comentários:

Bourbon prá dois disse...

Engraçado como o planejado e esperado nunca dá certo. Nem com as personagens de livro. Geralmente quando o livro é bom o destino é outro.

Eu sei da agonia mas nem sempre a pressa é o melhor, menina. As coisas acontecem mas o chão ainda taí, debaixo dos seus pés.

E, pode não parecer a primeira vista, mas eu tenho certeza que as pessoas ao seu redor, e não só família, te amam mais q o mundo (q é ingrato e não, não merece namoro).

Um beijo grande

Thiago Quintella disse...

As duas linhas finais foram muito ricas em sentimento ao demostrar perfeitamente as angústias. Querer namorar o mundo quando estamos solitários!

Noelle disse...

te amoooo =*

Bourbon prá dois disse...

Tá melhor?
Tou desemnsizado e desorkutado por enquanto.
E kd o template novo?
Bjos!